top of page

Esclerose Múltipla: Compreendendo a Doença e seu Impacto na Saúde

A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença neurológica crônica autoimune que afeta o sistema nervoso central (SNC), composto pelo cérebro e pela medula espinhal.


Caracterizada por ataques inflamatórios que danificam a mielina, a bainha protetora dos neurônios, a EM leva a uma série de sintomas neurológicos que podem variar de pessoa para pessoa e ao longo do tempo.


Compreendendo a Doença:

A causa da EM ainda é desconhecida, mas acredita-se que seja uma combinação de fatores genéticos e ambientais. A doença é mais comum em mulheres do que em homens e geralmente se manifesta entre os 20 e 40 anos de idade. No entanto, casos podem ocorrer em qualquer idade.


Sintomas e Diagnóstico:

Os sintomas da EM podem ser diversos e variam em gravidade de acordo com a região do SNC afetada. Os mais comuns incluem:


  • Fadiga: Cansaço extremo que não melhora com o descanso.

  • Fraqueza muscular: Dificuldade para mover os músculos, especialmente nas pernas.

  • Formigamento e dormência: Sensação de agulhadas, formigamento ou dormência em partes do corpo, geralmente nos membros.

  • Problemas de visão: Dificuldade para focar, visão dupla ou perda de visão em um dos olhos.

  • Problemas de equilíbrio e coordenação: Dificuldade para caminhar, manter o equilíbrio ou coordenar os movimentos.

  • Dificuldades cognitivas: Problemas de memória, concentração, fala ou linguagem.

  • Disfunção da bexiga e do intestino: Incontinência urinária ou fecal.


O diagnóstico da EM é feito por meio de uma avaliação médica completa, incluindo histórico de saúde, exame físico e testes neurológicos. Exames de imagem, como ressonância magnética (RM) e tomografia computadorizada (TC), também podem ser utilizados para confirmar o diagnóstico e avaliar a extensão da doença.


Tratamentos e Prognóstico:

Embora não exista cura para a EM, diversos tratamentos podem ajudar a controlar os sintomas, reduzir a frequência dos ataques e retardar a progressão da doença. As opções de tratamento incluem:


  • Medicamentos: Corticosteroides, medicamentos modificadores da doença (DMM) e imunoglobulinas intravenosas (IVIG) podem ser utilizados para reduzir a inflamação e prevenir novos ataques.

  • Fisioterapia: Ajuda a melhorar a força, a coordenação e o equilíbrio.

  • Terapia ocupacional: Ensina técnicas para lidar com as atividades do dia a dia e manter a independência.

  • Fonoaudiologia: Ajuda a melhorar a fala, a linguagem e a deglutição.

  • Psicologia: Oferece suporte emocional e ajuda a lidar com os desafios da doença.


O prognóstico da EM varia de pessoa para pessoa. Alguns pacientes podem ter apenas alguns ataques leves ao longo da vida, enquanto outros podem apresentar uma progressão mais rápida da doença. É importante ressaltar que a EM não é uma doença fatal, e a maioria dos pacientes pode levar uma vida normal com o tratamento adequado.


Gerenciando a EM no Ambiente Clínico:

Gestores de clínicas e hospitais, profissionais da saúde e administradores podem desempenhar um papel crucial na vida dos pacientes com EM. Ao se manterem atualizados sobre os últimos avanços no tratamento e diagnóstico da doença, podem oferecer um atendimento mais completo e eficaz.


Como podemos perceber, a Esclerose Múltipla é uma doença complexa, mas com o conhecimento e apoio adequados, os pacientes podem viver uma vida significativa e plena.

Instituições de saúde, como clínicas e hospitais que investem em treinamento para que os seus profissionais possam identificar os sintomas da EM, realizar o diagnóstico precoce e orientar os pacientes sobre as opções de tratamento disponíveis contribuem para uma melhor qualidade de vida de seus pacientes.


Além disso, o paciente deve ser incentivado a incluir em sua rotina de cuidados o acompanhamento de uma equipe multidisciplinar que inclua, além do seu médico, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, psicólogos e outros profissionais especializados para garantir um cuidado completo.


Com informações de ABEM - Associação Brasileira de Esclerose Múltipla, Conitec - Ministério da Saúde e Apamerj - Associação de Pacientes de Esclerose Múltipla do Rio de Janeiro.


Comentarios


bottom of page